Um projeto Menu

Círculo da Inovação

Tentar, errar, voltar a tentar e ser feliz

Sérgio Pereira

Co-Fundador e COO da Clickly

Trabalho em Rede

Tentar, errar, voltar a tentar e ser feliz

Ana Maria Pimentel

Sérgio Pereira tem um percurso ligado ao empreendedorismo e à criação de empresas, mas isso não nasceu com ele. Na faculdade percebeu que não queria seguir o percurso normal e foi preciso falhar algumas vezes para depois ter êxito

Sérgio Pereira, confundador da Clickly, apercebeu-se que queria ter um percurso de "disrupçao" quando um professor lhe explicou que nunca seria feliz porque a felicidade é uma equação de três variáveis: tempo, saúde e dinheiro. E será impossível conseguir ter as três de forma completa no mesmo período da vida. Foi esta explicação "profética" que o fez ter uma "epifania" e criar o primeiro projeto a que não chama de empresa por, na altura, ainda ser muito imaturo e não estar ciente das responsabilidades que uma empresa acarreta.

Pagava o curso com as apostas, sem grande risco, que fazia online em mercados desportivos e financeiros. Criou, por isso, um projeto ligado ao trading desportivo que não teve muito sucesso. Nem por isso desistiu da "convulsão interna que o fazia arriscar". Pragmático, quando acabou o curso pôs o empreendorismo a tempo inteiro de parte. "Precisava de dinheiro". O recém-formado engenheiro informático foi trabalhar para a Accenture e acabou por gostar mais do que estava à espera e ficou três anos por lá.

Sem nunca deixar o empreendedorismo foi criando projetos paralelos até perceber que tinha que se dedicar a tempo inteiro à sua mais recente criação: a Goalstat. Um software para treinadores profissionais que lhe permitiu entrar no círculo de empreendedores lisboetas e um dia o levou a um acelerador de jovens e empresas. Ali, em Cascais, conheceu Guilherme Lopes, uniram esforços e perceberam que em conjunto conseguiam fazer da ideia um projeto com força global e potencial.

É naquele dia que nasce a Clickly, uma nova forma de fazer publicidade online e que hoje compete com empresas como a Google. Além da ideia, o mais importante foi ter tido a coragem de arriscar e investir tudo numa tecnologia diferenciadora que permite que a publicidade seja interativa sem ser intrusiva. Pode não se ter apercebido no tempo em que era "imaturo e pouquinho", mas ter falhado na primeira empresa foi muito importante. A Clickly fez com que crescesse a todos os níveis e hoje já é convidado para ser mentor nos mesmos programas em que no início ia procurar mentoria.

UMA IDEIA

“Ensino de programação desde o ensino primário. O mercado de trabalho tem grande défice de profissionais com conhecimentos de informática e programação, tanto em Portugal como na Europa, e esta tendência é de grande agravamento, esperando-se que aqui resida um grande travão à competitividade global da Europa se nada for feito. Assim não é de admirar que comecem a surgir academias/cursos de programação para pessoas desempregadas, o que proporciona uma readaptação mas resolve apenas parte do problema. É necessária uma política mais agressiva a este nível, tal como as que têm sido tomadas recentemente por países como Reino Unido ou Finlândia, de enquadramento do ensino destas competências nos currículos das escolas, desde o ensino básico ou até pré-escolar, para garantir que as crianças de hoje serão profissionais competitivos amanhã. A conversa em relação ao ensino da programação hoje é similar à que se teve em relação ao ensino de inglês há 10 anos.”

UM DESAFIO

“Quando deixei a estabilidade de uma carreira como consultor para fundar a minha própria empresa, quase tudo o que podia correr mal correu. Tal como se costuma dizer, o plano não sobreviveu à realidade. A necessidade de adaptação e inovação é constante e para mim recorrer a mentores que já tinham tido desafios semelhantes foi o que proporcionou o ritmo de aprendizagem que necessitava. É muito interessante para um empreendedor nos dias de hoje a facilidade de conhecer e contactar mentores, que levam a clientes, investidores, parceiros, etc. As ferramentas disponíveis online e os efeitos de rede proporcionados pelos eventos de networking e programas de aceleração existentes, cada vez em maior quantidade e qualidade no nosso país, são fundamentais para qualquer empreendedor. No meu caso, fez e continua a fazer toda a diferença.”

Trabalho em Rede

Ver mais