Um projeto Menu

Círculo da Inovação

Ela quer que o vinho do porto seja o novo gin

Raquel Seabra

Strategic Planning and Controlling Director Sogrape

Foco no Consumidor

Ela quer que o vinho do porto seja o novo gin

Ana Maria Pimentel

Sonha colocar uma das bebidas que é uma “Marca Portugal” na boca das camadas jovens. Raquel Seabra tirou Economia e é uma consultora premiada

A facilidade que tem em estabelecer relações com as pessoas nasceu com ela, mas foi “despertada nas primeiras aulas de economia da faculdade”. Quando acabou o curso não queria fechar as portas a nada, ainda não sabia qual era a sua indústria e por isso foi fazer consultoria na BCG para “experimentar” de todas um pouco. Entrou com a ideia de sair passados três anos, mas a continua aprendizagem fez com que gostasse muito do que fazia e só saiu para a Sogrape… Uma década depois.

Foi a BCG que lhe deu oportunidade de passar um ano nos escritórios de Miami, período em que ganha uma bolsa e se candidata ao Insead. Depois de saber que podia fazer lá o MBA tira uma licença sem vencimento da consultora e até as aulas começarem ficou com cinco meses livres. Podiam ter sido aproveitados de muitas formas, mas escolheu uma coisa que na altura não se falava: trabalho pro bono. Foi quase meio ano de uma “experiencia fantástica” na Colômbia, “na altura em que ainda não era moda”, e na Argentina a fazer consultoria em ONG só ela e a sua cabeça “sem a estrutura da consultora.”

Findo o tempo de trabalhar na América Latina rumou para Singapura para o “ano mais intenso" da sua vida no Insead. "Um MBA com alunos de mais de 60 nacionalidades, onde há muita diversidade e que deve ser o mais parecido de trabalhar na ONU", lembra ao Expresso. A memória de ter visto um rolo de papel higiénico Renova à venda numa loja de design de um museu americano, a fotografia de uma caixa do mesmo rolo numa aula de marketing e o facto de querer retribuir ao país a bolsa fez com que a empresa fosse o tema do seu trabalho final. "O estudo mais vendido no mundo inteiro naquele ano" que lhe valeu um prémio Insead.

Há menos de um ano, saiu da BCG para a Sogrape por uma "feliz coincidência". A relação afetiva que tem com o vinho, por vir de uma família de pequenos produtores, fá-la acreditar que está "no papel perfeito, na empresa perfeita". Faz o planeamento estratégico e controlo de gestão com o sonho de dar um “papel ainda mais importante ao vinho português no estrangeiro". Sabe que ainda há muito a fazer, tanto no mercado nacional como no internacional, pela "marca Portugal", cuja cara pode ser o vinho do Porto que almeja tornar tão importante como o gin para as camadas mais jovens.

UMA IDEIA

“Preocupam-me problemas básicos que se solucionados seriam instrumentais na resolução de tantos outros problemas. Preocupam-me as pessoas e a sua capacidade de desempenharem com maior proficiência o seu papel de cidadãos, contribuintes e clientes. Com maior literacia financeira (pessoal e pública) e mais literacia económica, todos seríamos como povo mais capazes de compreender, avaliar e participar em decisões políticas; perceber e conhecer o que “consumimos” e desempenhar de forma informada e consciente o nosso papel de agentes económicos. Num mundo cada vez mais digital, assente em plataformas abertas, onde a economia partilhada cresce, o desenvolvimento de uma solução de e-learning para este fim, curada, com conteúdos de qualidade, flexível, customizável às lacunas de cada indivíduo e com possibilidade de participação em tempo real, poderia ser uma solução interessante e de baixo custo para este problema”

UM DESAFIO

“Contactei com a Endeavor em 2008 quando colaborei com a sua delegação de Bogotá. A Endeavor é uma ONG com um propósito inovador e um modelo único: pretende remover as barreiras que impossibilitam empreendedores de alto impacto em países em desenvolvimento de expandirem o seu negócio; para tal promove o acesso a redes globais de suporte compostas por mentores, empresas “blue-chip”, escolas de negócios de topo e instituições financeiras. A fórmula de êxito da Endeavor assenta não só numa boa ideia, numa estratégia articulada e numa implementação rigorosa, mas principalmente na capacidade de criar uma marca desejada, admirada e de confiança. A Endeavor enfocou-se nos seus “clientes” (empreendedores, mentores, empresas, etc) e cativou-os para o projeto: procurou conhecê-los (às suas motivações e necessidades) e desenvolveu propostas de valor inovadoras com um posicionamento consistente e diferenciado. O resultado é um projeto ao qual profissionais de topo, empresas e instituições se querem associar pro bono, e ao qual aspiram empreendedores em todo o mundo”

Foco no Consumidor

Ver mais