Um projeto Menu

Círculo da Inovação

Construir coisas desde sempre

Luís Simões

Diretor de Produção Gallo

Criar Valor

Construir coisas desde sempre

Ana Maria Pimentel

Luís Simões, o engenheiro de Vila Viçosa que veio para Lisboa erguer o futuro que projetou

Luís é um daqueles casos de crianças que, com pouca margem de erro, é possível antever a profissão que irá abraçar. E o próprio descobriu isso cedo: desde a quarta classe que queria ser engenheiro. Na altura, encantava-o a possibilidade de construir coisas. Mais tarde apercebeu-se que, afinal, o que o movia era ver como tudo funciona.

Mudou, por isso, com 15 anos de Vila Viçosa para Lisboa. Sozinho, numa cidade diferente e maior aprendeu o que é responsabilidade e “cresceu muito rapidamente.” Na capital fez o secundário e no final a mudança não foi tão intensa: ficou na mesma cidade e entrou no Instituto Superior Técnico para tirar Engenharia Mecânica.

Talvez tenha sido da responsabilidade que aprendeu sozinho, talvez tenha sido pela paixão pelo que fazia ou do brio que vinha com ele. Mas tornou-se um bom aluno e foi convidado para fazer parte de um projeto de investigação. Mais tarde a hipótese de fazer um estágio em consultoria industrial, e depois de ter a “perspetiva do que é o trabalho de campo, olhava para a vida académica e não se via a fazer aquilo para sempre.”

É consultor durante quatro anos e tem acesso “a realidades industriais muito bem feitas.” Mas, enquanto consultor apenas tem acesso “a como se fazem as coisas.” Luís queria fazê-las, e tendo tomado isto como consciência mudou para, tal como na quarta classe, fazer coisas.

Foi para a Tabaqueira, onde durante oito anos ocupou 12 posições diferentes, alguns cargos desses na Suíça. Foi nessa empresa que implementou um plano de mudança cultural e conseguiu envolver os trabalhadores nessa mudança.

Agora, na Gallo, é diretor de produção. Exatamente aquilo que procurava. Sabe que tem que inspirar quem com ele trabalha, dar-lhes autonomia e responsabilizá-las. Quando ali chegou “o estado de desenvolvimento das pessoas era diferente do que estava habituado”, teve que aprender a “dar uma oportunidade a uma mudança cultural” e cativar pessoas a ir para Abrantes, onde é a fábrica. Agora só quer continuar a crescer.

UMA IDEIA

“A criação de valor está muito relacionada com a capacidade de diferenciação. Portugal possui factores diferenciadores em relação a outros países da União Europeia, torna-se por isso imperativo investir e apoiar esses sectores estratégicos que permitirão não só criar mais valor, mas sobretudo mais valor que os outros países da UE. Na Europa, tal como no nosso país, não existem estratégias de longo prazo. Mudam-se os políticos, mudam-se as vontades, desta forma muitos recursos investidos pelas políticas anteriores são desperdiçados pelas políticas seguintes. A criação de valor implica seriedade e persistência ao invés do vulgar populismo que somente destrói valor.”

UM DESAFIO

“Ao longo da minha vida fui aprendendo a criar valor através das pessoas, a formar equipas vencedoras. Como? Ajudando as pessoas a desenvolverem-se. Aprendi que a soma das partes é maior que o todo. Aprendi que todas as pessoas têm potencial e talento e que, quando devidamente aplicado, pode produzir resultados extraordinários. Aprendi que o contributo individual não perde relevância, mas que a mesma tem de ser avaliada no contexto de uma equipa. Aprendi que mais do que as convicções e os objectivos pessoais de cada um, prevalece um sentido e objectivo comum, em que cada um traz para o seio da equipa uma perspetiva diferente das coisas. Aprendi que é muito importante que se discuta construtivamente as diferentes perspectivas mas que no fim tem de se tomar uma decisão. Aprendi que uma vez tomada a decisão, a mesma é de todos e no final do dia teremos que saber viver com as consequências da mesma. Aprendi que quando um vence, vencemos todos, quando um erra, erramos todos. Quando erramos sentamo-nos à volta de uma mesa e aprendemos, corrigimos e seguimos em frente. Aprendi que para criar valor é preciso aprender e não ter medo de errar!”

Criar Valor

Ver mais