Um projeto Menu

Círculo da Inovação

A economia colaborativa em cinco desafios

JOHN MACDOUGALL

Conheça os desafios mais interessantes que os nossos inovadores enfrentaram numa seleção do que publicamos no Trabalho em Rede

Zé Pedro Cobra
“Como dizia Abbé Pierre: “Não sei se o século XXI será um século religioso, mas terá de ser um século fraterno ou fracassará.” Gosto de fazer essa partilha com humor, pois acredito convictamente – e assim vivo a minha vida – na frase dos Monty Python: “Rir é a melhor maneira de levar a vida a sério.

Embora esta não seja a minha vida profissional, nos últimos cinco anos tive a oportunidade de fazer muitas intervenções, em Portugal e no estrangeiro, em instituições de solidariedade, em congressos, eventos variados e em empresas, com entrevistas dadas na televisão, na rádio e nos jornais. No caso de intervenções em empresas – que em condições normais afetam uma verba para pagar aos oradores - eu desafio-as antes a que façam reverter integralmente esse valor para instituições ou projetos de solidariedade, num projeto a que chamo de "A.Poiares", de homenagem ao meu avô A(ugusto) Poiares, que era casapiano e, talvez por isso, a pessoa que eu conheci que mais adorava e agradecia a vida. Esta é a minha forma de agradecer à vida: proporcionando que se dê a quem precisa (mais).

A concretização deste projeto – ao abrigo do qual mais de uma centena de entidades já doou mais de 250.000€ para diversas instituições e projetos de solidariedade – é um exemplo claro que estamos sempre a trabalhar em rede. Com efeito, não só eu ganho com a possibilidade de poder proporcionar ajuda e a realização pessoal de um projeto de consciencialização; as pessoas que ouvem ganham pelo bom momento de riso e pelo desafio de consciência que fazem; as empresas ganham com as pessoas melhores e os seus objetivos integrados; e por fim ainda ajudamos quem mais precisa! É uma “win-win-win-win situation”.

Nuno Vale
“Um dos maiores desafios profissionais que me foram colocados foi enquanto responsável a nível europeu de media planning e comunicação de marketing para a Nokia Mobile Phones, quando trabalhava em Londres nos escritórios europeus da marca. Na altura a Nokia era líder e uma das maiores marcas mundiais. Foi-me colocado o desafio de como inovar o marketing e aumentar a eficiência da alocação do budget de marketing. Foi então desenvolvido um estudo de avaliação do impacto nas vendas de todas as actividades de marketing, below and above the line. Os resultados foram surpreendentes, o “word of mouth” era a força mais importante e o driver mais eficaz nas vendas. Então constituí uma rede de directores de marketing a nível europeu para dar início ao desenvolvimento de uma estratégia a nível Europeu de acções que fomentassem o “endorsement” e o “word of mouth” a favor dos telemóveis Nokia. Este trabalho permitiu que uma empresa líder, mas com uma acção de marketing que assentava em soluções muito tradicionais (grande peso de investimento em acções above the line) começasse a desenhar estratégias de comunicação alternativas, que hoje podem ser vistas em estratégias de comunicação de media social.”

Nuno Sebastião
“Fazer "networking", entrar no meio, quando não se conhece ninguém, é um desafio enorme para qualquer um. Não há atalhos, é preciso muito trabalho e persistência. Ajuda ter tecnologia de ponta, "muito cool." E não há melhor espaço para a tecnologia que um ecossistema de startups tecnologicas, onde estão as mais fortes e melhores: Silicon Valley. Se consegues ter sucesso em Silicon Valley, te-lo-ás em qualquer lado.

Tornámo-nos parceiros de empresas como a SAP que têm por si só uma rede de contactos global, e que puderam ajudar-nos a aumentar o nosso alcance. A SAP fez um investimento estratégico na Feedzai por causa da nossa tecnologia única, e em troca encontramos um parceiro com alcance global. Isto levou a mais negócios, como com a Capital One Ventures e OAK HC/FT Ventures, duas capital ventures que lideram. É interessante perceber que a OAK está sediada em Nova Iorque. Isto realça a ideia de que contratar o talento certo e estar no lugar certo - Silicon Valley - tem a possibilidade de expandir a rede de contactos da empresa em qualquer lugar no mundo.”

Duarte Mineiro
“Inovação rima com colaboração. Ao contrário da generalidade das empresas que tendem a ser vendidas a este ou aquele novo accionista, as startups têm muito a ganhar em reunir um pequeno grupo de accionistas - e não apenas um - para se constituírem e enfrentarem as dificuldades do seu desenvolvimento. Há que colocar o fermento para fazer crescer o bolo antes de o comer. Enquanto investidores em VC, acreditamos fortemente nesta maneira de estar, tendo desenvolvido parcerias com os principais players da indústria, com especial ênfase em Portugal - haverão muito poucos investidores de referência com os quais não tenhamos já co-investido ou procurado investir.”

António Miguel
“No Laboratório de Investimento Social, todos os dias tenho a sorte de trabalhar na convergência entre os sectores privado, público e social. Exemplo disso foi o lançamento em 2015 do primeiro Título de Impacto Social "Academia de Código Jr" que junta no mesmo projeto os diferentes sectores. Durante cerca de um ano, foi estruturado este projecto com o fim comum de melhorar o desempenho escolar dos alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico através da aprendizagem de programação informática.

Um investidor - a Fundação Calouste Gulbenkian - financia o projeto à partida, que é implementado pela Academia de Código Jr e consiste no ensino de programação informática a 65 alunos do 1º Ciclo em 3 escolas públicas de Lisboa, cujo desempenho escolar é comparado com outros alunos que não receberam as aulas de programação informática.

Caso o desempenho dos alunos da Academia de Código Jr a Matemática e Português seja 10% superior aos alunos do grupo de controlo, a Câmara Municipal de Lisboa reembolsa a Fundação Gulbenkian, para que esta possa reinvestir no projecto e sua expansão. Caso os resultados não sejam alcançados, a Câmara Municipal de Lisboa não efectua qualquer reembolso.

O processo de criação deste projecto foi uma aprendizagem sobre o que é trabalhar em rede e a importância de desenhar os incentivos certos para que todas as partes estejam orientadas para o mesmo resultado: neste caso específico, melhorar o desempenho escolar de alunos.”

Trabalho em Rede