Um projeto Menu

Círculo da Inovação

Cariocas ganham com associação da Airbnb aos Jogos Olímpicos

Tiago Oliveira

YASUYOSHI CHIBA

O fundador da Airbnb, Joe Gebbia, a anunciar a parceria que pode render cerca de €22 milhões

A startup de aluguer temporário de quartos é pela primeira vez parceira oficial de um evento desta magnitude, está a fazer com que a ocupação de hóteis tradicionais seja menor do que em outras ocasiões e gera novas fontes de rendimentos para muitos habitantes do Rio de Janeiro

A avançarem a toda a velocidade, os Jogos Olímpicos têm-nos dado muitas histórias e casos inspiradores mas um aspeto interessante está relacionado com o lado económico. E antes que comece a pensar em corrupção e gastos desenecessários, o que aqui vai ler são casos positivos: De pessoas que estão a rentabilizar com uma competição que antes lhes teria passado completamente ao lado. Com a ajuda da digitalização.

É o que tem acontecido no Rio do Janeiro, onde a parceria entre o Comité Olímpico do Brasil e a Airbnb (a primeira do género da startup com um certame desportivo tão significativo) tem permitido a muitos cariocas alugar os seus quartos e camas aos milhares de estrangeiros que chegam à 'cidade maravilhosa.'

Há perto de 40 mil vagas espalhadas por toda a malha urbana, com a preocupação de distribuir de forma equilibrada os anúncios para "alargar o impacto económico para os bairros que tradicionalmente não são destinos turísticos", garantia dada à CNN pelo responsável pela Airbnb no Brasil, Leo Tristão.

Em zonas como Copacabana ou Ipanema, um quarto tradicional pode ultrapassar os €530 por noite, mas a empresa oferece uma gama mais variada, não só a nível de preço. É o exemplo da casa de Lara dos Santos, no bairro de São Cristóvão, associado à classe trabalhadora. Vendedora reformada de jornais, descobriu a startup quando recuperava de um acidente de carro, com poucas perspetivas de recuperar um emprego com boas garantias. Agora, oferece quatro quartos com beliches com uma cama a render €27 por noite. Já está tudo repleto.

Do outro lado do espetro, está Anna Kahn, que alugou o seu apartamento recentemente renovado à representação cultural oficial finlandesa por um valor a rondar os €13500 pelas duas semanas. "É uma oportunidade única na vida", acredita.

Com a popularidade deste serviço, espera-se uma ocupação hoteleira menor que em outras ocasiões. As expectativas são de 66 mil hóspedes nas casas Airbnb com um lucro estimado em €22 milhões. Uma nova forma de rendimento só possível com a integração digital.

Digitalização