Um projeto Menu

Círculo da Inovação

Banca já custou 7% do PIB ao Estado português

Intervenções no sector financeiro custaram €12,5 mil milhões desde 2010 e custo pode aumentar com Novo Banco e Caixa

A fatura das intervenções do Estado português no sector financeiro já soma quase 7% do Produto Interno Bruto (PIB). São €12,5 mil milhões entre 2010 e 2015, onde se destacam as operações no BPN e as resoluções do BES e do Banif, revelam os dados reportados pelo INE ao Eurostat. Esta soma inclui também os juros pagos pela dívida emitida para financiar as operações. Só em juros foram gastos €2582 milhões, pagos nestes seis anos. Mas se o Estado perde por um lado ganha por outro. Em contrapartida, os cofres públicos recebem juros das obrigações convertíveis em capital (CoCos) usadas pelo Estado para recapitalizar os bancos, e que somaram mais de €1000 milhões.

O total gasto com o sector financeiro, que passou a ser reportado desde a crise de 2008, inclui apenas injeções de capital com impacto no défice, ou seja, operações de entrada de dinheiro em entidades não rentáveis. É que o dinheiro usado em entidades rentáveis, não tem impacto no défice. Uma das dúvidas que se colocam face à Caixa Geral de Depósitos (CGD), que tem de ser recapitalizada após anos de prejuízos, é saber precisamente se é possível fazer um aumento de capital sem que este entre no défice ou seja considerado uma ajuda de Estado. O Conselho de Finanças Públicas, numa análise publicada esta semana, alertava para o risco de a capitalização da CGD poder ter efeitos negativos no défice e dívida. A isto é preciso juntar, também, a eventual compensação dos lesados do BES, no caso de ser assumida por uma entidade pública.

Leia mais na edição deste fim de semana

Autores